#14

Meu verso é o Deus possível

Que não descansa nunca
Não se forma a necessidade de oração
Tão banal quanto as mãos juntas

Meu verso disse Drummond que me é suficiente
E eu rezei

Pus a fé no dicionário e de lá saiu estéril
Sem lugar nesse poema

Meu verso é Deus possível
E eu não tenho medo de dizer o nome

Anúncios

#5

risquei o chão da casa com meus passos repetidos

perdidos

vagantes

 

eu mesmo sem destino

sempre buscando as janelas

observando os vizinhos me olharem aqui

fantasma de correntes invisíveis

 

e na própria casa eu sou eco

dissoluto na figura meio apagada

de mim mesmo

não marco

não fixo

 

carrego nas costas o dever de ter sido

e empurrar isso para o futuro

outra imagem quase nula

dos olhos que ainda me veem como um dia eu fui:

alguém além desses murmúrios.